PETER MARLOW: RECREAÇÃO RUSSA

As lições de um fotógrafo inglês na URSS durante a década de 80

Dias atrás, enquanto navegava pelo Facebook, fui surpreendido por uma chamada da Magnum Photos, a qual tratava de um trabalho do fotógrafo inglês Peter Marlow. Embora eu já tivesse tido contato com sua obra, nunca havia dedicado tempo a estudar e contemplar as fotos do tal fotógrafo. Era, portanto, uma boa oportunidade para fazê-lo.

Estudar os trabalhos dos membros da Magnum Photos é sempre uma experiência rica, de modo que eu já esperava encontrar algo incrível no fotodocumentário do Peter Marlow, do qual o artigo tratava. Ao abri-lo, deparei-me com uma série de fotografias feitas por ele na extinta URSS na década de 80, tratando do modo como os soviéticos aproveitam seus feriados. Um tema trivial, como muitos podem pensar, dado o modo como a maioria nós, ocidentais, curtimos nossos momentos de folga: passeios com a família, visitas a shoppings, bebidas, entre outras atividades desprovidas de utilidade prática. Acontece que na URSS, naqueles tempos, tudo era diferente: os feriados e o modo como a população os aproveitava eram controlados pelo governo (como tudo o mais naquele país, aliás). Tudo era rigidamente estipulado: onde as pessoas poderiam ir nos seus momentos de folga, o que poderiam fazer e com quem deveriam estar.

Bilhar em Sochi. Rússia, União Soviética. 1981 © Peter Marlow | Magnum Fotos

Na extinta URSS, manter a saúde de seus cidadãos era uma das prioridades do governo, de modo que feriados eram utilizados pelos governantes para cuidar de seu povo, já que os indivíduos eram, antes de tudo, ferramentas para manter o “sistema” funcionando, e mantê-los saudáveis era uma necessidade constante. “Sua saúde não é sua, pertence ao povo” era um dos lemas do Regime. Além de tratamentos terapêuticos, os cidadãos soviéticos podiam também desfrutar de momentos de lazer, como fazem os ocidentais, embora que essas “curtições” fossem também determinadas pelo governo. Querendo retratar esse modo peculiar dos soviéticos de se “aproveitar” os feriados, folgas e férias, Peter Marlow viajou ao país na década de 80, e lá fez um dos seus trabalhos mais importantes.

Falecido em 2016, como vim a saber, Peter Marlow é admirado por seus colegas por sua necessidade de documentar a vida, muitas vezes dedicando anos a um mesmo trabalho, buscando sempre obter imagens sinceras (nem sempre bonitas ou interessantes) de situações, pessoas ou coisas às quais poucos tinham acesso. As férias soviéticas, por exemplo: quem poderia imaginar que do outro lado da Cortina de Ferro, durantes os feriados, banhos de lama e outras terapias peculiares eram “oferecidos” ao povo? Quem poderia conceber a ideia de que mesmo o horário no qual podia-se ficar na paria fosse rigidamente cronometrado pelo Chefes do Regime?

Sanitorium perto de Riga, tratamento matinal com oxigênio para idosos. Letônia, União Soviética. 1981© Peter Marlow | Magnum Fotos

 

Tratamento de água mineral no spa matzeta, próximo a Sochi. Rússia. URSS 1981 © Peter Marlow | Magnum Fotos

 

O que me chamou a atenção nas fotografias que vi é que não há nelas qualquer preocupação estética por parte do autor. Peter Marlow não fez aquelas fotos porque queria oferecer algo belo ao mundo; fez por que era NECESSÁRIO fazê-lo. Muitas vezes, nós, os fotógrafos, na ânsia de criar algo que chame a atenção das pessoas, nos esquecemos do caráter documental da fotografia. Mais do que entreter, imagens devem informar, devem documentar um instante no tempo, na história, para que aquilo nunca se perca. Em suma: a fotografia – a VERDADEIRA fotografia – deve ser um retrato da realidade, a qual, muitas vezes, não é bela.

Peter Marlow se preocupava em contar histórias através de imagens, legar à eternidade verdadeiros documentos acerca de momentos que poderiam desaparecer, como de farto aconteceu com o Regime Soviético: apenas cinco anos depois, em 1985, começou a Perestroika, política que pôs fim à antiga URSS (e seu modus operandi de se aproveitar os feriados). Como muitos outros fotógrafos (entre eles, este que vos escreve), Marlow desdenhava de imagens posadas/montadas; preferia a realidade tal como ela é, o momento fugaz. Como bem disse David Hurn (outro fotógrafo da Magnum), “a vida é naturalmente extraordinária e, portanto, não precisa de minha intervenção”.

Xadrez na praia em Sochi. União Soviética. 1981. © Peter Marlow | Magnum Fotos

 

As pessoas ouvem uma palestra política de uma hora antes de começar a dançar. Discoteca em Sochi. Rússia, URSS. 1981. © Peter Marlow | Magnum Fotos

Logo SEOX - Sites para Fotógrafos